0

Entrevista com Marinélia Soares

Um pouco de mim... 
Professora de Libras: Marinélia Soares - Nelinha

Professora na Educação de Surdos no estado do Acre há 17 anos. Pedagoga, Especialista Educação de Surdos/LIBRAS/INTERPRETAÇÃO/TRADUÇÃO. Atuando atualmente como Professora de Libras na Educação Infantil e Educação Fundamental pela prefeitura de Rio Branco – Acre.
Já fiz muitas coisas na Educação de Surdos em meu estado, mas minha grande paixão é produzir recursos e jogos para facilitar a aprendizagem tanto de surdos, quanto de ouvintes. Muito bom poder compartilhar um pouco do meu trabalho, ensinando outros colegas a produzir materiais em Libras ou que possam ajudar o Surdo na sua caminhada escolarNão tenho nenhuma formação especifica para produção de Material, tudo que aprendi a fazer foi testando e pesquisando novas formas de facilitar esse ensino aprendizagem. Sou defensora da divulgação dos materiais para UNIVERSALIZAÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS.  E por isso desde o ano 2007 criei o BLOG: Trabalhando com Surdos, minha grande paixão. No ano de 2010 com o mesmo nome surgiu o CANAL no Youtube, onde posso compartilhar os vídeos que utilizo para ajudar nas aulas de Libras. 

  ENTREVISTA  RESPONDIDA PARA UMA ALUNA DO CURSO DE LETRAS LIBRAS -UFAC  

1.Como você avalia o aluno surdo?

A avaliação não deve ser tão diferente dos colegas ouvintes, pois isso pode gera exclusão. Sempre oriento ao professor tentar planejar atividades que os surdos e ouvintes farão a mesma, por exemplo, uma prova pode ser feita mais ilustra com algumas questões objetivas, isso vai ajudar o aluno surdo, mas também o ouvinte. Com relação a questões dissertativas devemos ter um olhar diferenciado para não descartar seu texto apenas porque faltam alguns conectivos. O interprete deve colaborar na hora dessa correção. Enfim avaliar um surdo deve ter suas flexibilizações, mas não podem ser tão explicitas para que ele não fique constrangido de ter uma atividade só para ele.

 2. Quais os principais recursos que você utiliza para o desenvolvimento do seu trabalho?
Atualmente trabalho na equipe didática administrativa e pedagógica do CAS/Rio Branco, minha principal função é montar materiais para as aulas de Libras, como também ministrar Formação Continuada para os Professores de Libras, que atual no Projeto Escola Acessível Caminhos para o Bilinguismo, nessas formações ensino passo a passo como montar materiais para as aulas de Libras, metodologia etc. O principal recurso que utilizo e computador e celular, para montar slides, editar vídeos, tirar fotos e gravar vídeos. Dificilmente vou para sala de aula ensinar Libras, mas quando é necessário o notebook ou dinâmicas para prender a atenção das crianças.

3. Em sua opinião quais as características de um bom professor ou intérprete de libras?

Ser comprometido acima de tudo. Ter humildade e esta sempre disponível a ensinar, pois mesmo sendo interprete você é referência onde estar. Ter ética e respeitar os demais profissionais da área.

 4.    O que significa a profissão de professor de libras para você?

Um avanço significativo para Educação Especial, é uma profissão nova, mas muito importante para o processo de universalização da Libras. O profissional deve ter uma metodologia bem inovadora.

5.    Como deve ser a didática para trabalhar com o aluno surdo?

É necessário ver o espaço que será atendido essa criança.
Em sala de aula comum:
·       Apesar de ter o interprete não significa que o professor deve deixar a responsabilidade com ele. Sempre se direcionar o aluno e não para o interprete. Incluir o aluno em atividades com os demais alunos. O professor deve abusar de recursos visuais, atividades práticas sempre incluindo o aluno surdo. Apesar do professor não dominar libras ele pode contribuir muito sendo flexível e estando disposto a colaborar com supostas dicas que o profissional interprete pode dar a ele.
Em sala de Recurso:
·       O ideal é um profissional de Atendimento Educacional Especializado – AEE ter fluência na Língua de Sinais, além disso, é de suma importância o contato do Professor de Libras surdo, a presença deste profissional na escola pode colaborar e muito com o desenvolvimento escolar do estudante. A metodologia do atendimento deve ser nas línguas e o ideal e trabalhar com projetos, onde o estudante vai ter contato por mais tempo com o tema, e poderá fornecer ao professor input. Nesse espaço o Português pode ser ensinado como Segunda Língua, o que traz benefícios  ao Surdo. Enfim a metodologia deve ser na Língua de Sinais e com apoio visual, o professor deve abusar de estratégias que contribuam com o letramento do Surdo levando-o ao mundo da leitura e escrita.

6.    Qual a importância do ato se planejar do interprete ou professor de libras junto com os demais profissionais da escola?

Bem onde trabalho o professor de Libras não planeja com os demais profissionais da escola, mas sim com a equipe da Secretaria Municipal de Educação - SEME. Esse planejamento é muito importante, afinal nenhuma turma é igual a outra, e a mudança de dinâmicas e metodologias é necessário.
O interprete é de suma importância nesse planejamento, pois ele terá de forma antecipada uma ideia de qual conteúdo será trabalhado nas próximas aulas, nesse momento ele pode colaborar com o professor dando dicas de como tornar aquele conteúdo acessível ao Surdo. Claro contamos com barreias neste planejamento:
·       O professor pode não se importar com essas dicas e ate mesmo com o aluno com deficiência
·      O planejamento na escola só e de roteiro, e o interprete acaba não tendo espaço de expor sua opinião.
São barreias que vão surgir afinal você é um profissional estranho dentro do espaço escolar, mas minha dica é sempre tentar ser amigo do professor regente, conquiste - o isso vai ajudar esse profissional te ouvir e não rejeitar sua contribuição. Quando há uma parceria entre professor e interprete o aluno só tem a ganhar. E creio por experiência própria que funciona. 
Contato: 

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita não esqueça de deixar seu comentário!!!

 
Voltar ao Topo da Página